quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

UM LUGAR QUE VOU VISITAR

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012
Intervenção do mundo dos mortos
O Lar Frei Luiz, no Rio de Janeiro, já curou pessoas como Milton Nascimento e Elba Ramalho.


[Médico alemão Frederick Von Stein materializado]

  A sala escura é iluminada apenas por lâmpadas azuis. Dentro dela há uma cabine, onde um corpo começa a se materializar a partir de uma fumaça. Para quem já tocou, sua consistência se parece com a do algodão. Já surgiram dali entidades como Mahatma Gandhi e São Francisco de Assis, mas o espírito mais assíduo é o do médico alemão Frederick von Stein, nazista que volta para limpar seu karma.


 A materialização é uma das características que diferencia o Lar de Frei Luiz dos outros centros espíritas. Uma das principais entidades que ilumina o Lar - um dos maiores do País, localizado em Jacarepaguá, no Rio, é justamente a do Doutor Frederick. Ele já protagonizou a cura de artistas como Milton Nascimento e Elba Ramalho, operada há alguns meses pelo espírito. Depois da cirurgia, a cantora garante que as pontadas que sentia no fígado desapareceram. "Ele abriu minha barriga inteira com o dedo. Jorrava sangue e não senti dor", relata, aliviada, sem saber explicar direito o que aconteceu.


Milton teve recuperação rápida


 Com Milton, os resultados foram definitivos. Quando a diabetes o deixou magérrimo, em fins de 1996, as más línguas espalharam que era Aids. Ele recorreu ao Frei Luiz por intermédio de uma amiga, Beth Dourado."Minha recuperação foi tão rápida que meus médicos ficaram espantados", relatou. A lembrança mais intensa foi a da materialização. "Foi muito forte e bonita. Só pode mesmo ser coisa de Deus", atribui o cantor. As definições existem, mas é claro que, para acreditar, só vendo ou tendo muita fé. Curiosamente, o centro não é comandado por nenhum artista ou pessoa que tem no misticismo sua atividade principal, mas por um médico, que pela ordem natural das coisas deveria ser refém do materialismo e avesso a soluções do além. A preocupação inicial do presidente do Lar, o cirurgião geral mineiro Ronaldo Gazolla, 65 anos, em seu terceiro mandato como secretário municipal de Saúde do Rio, é desmistificar: "A materialização é uma prova às pessoas de que existe algo além da vida comum, e não uma exibição de circo de cavalinhos", afirma.


 As cirurgias ocorrem no escuro supostamente para evitar a queima do ectoplasma, matéria-prima das materializações e operações espirituais. Trata-se de uma substância que vem do citoplasma celular, parte da célula de qualquer ser humano. Sai pelo poros e cavidades do corpo e também da natureza. Sua condensação é que vai dar a forma humana ao espírito. "Hoje a ciência não explica, mas no futuro explicará", profetiza Gazolla. De alguma forma, mesmo os médicos céticos podem explicar os resultados das intervenções do mundo dos mortos. A diferença entre um doente esperançoso e o que já se entregou é total, segundo Luiz Maltoni, 41 anos, cirurgião de abdômen e diretor do Hospital de Oncologia do INCA (Instituto Nacional do Câncer). "Aquele que sente coragem de enfrentar a doença, por qualquer motivo, acelera a produção de hormônios que atuam no sistema imunológico e responde melhor a qualquer agressão", afirma. O presidente do INCA, Jacob Kligerman, 59, concorda com a tese, mas adverte: "Está comprovado que a fé melhora, mas não cura."


 Embora o objetivo original do Lar de Frei Luiz tenha sido o de assistir a 200 crianças e 50 velhinhos, a fama vem mesmo das operações espirituais. Muitas estão relatadas no livro Médicos do Espaço - Luiz da Rocha Lima e o Lar de Frei Luiz (Editora Mauad), que acaba de ser lançado pelo jornalista carioca Roni Lima, 42. Ex-cético de carteirinha, Roni começou a freqüentar o Frei Luiz em 1994. O livro é uma radiografia da instituição. Depois do mergulho espiritual, sua cabeça mudou. "Recebi provas de que existe vida após a morte", festeja. O jornalista também passou a engrossar o quadro de 800 médiuns do Frei Luiz.


 O Lar de Frei Luiz tem 12 salas para tratamentos e duas para cirurgias onde atuam 1.800 médiuns — somados a 200 pessoas que trabalham no bazar, livraria e creche, são 2 mil voluntários. Casos graves, como câncer, são encaminhados à sala 1. Lá, o médium Gilberto Arruda atende pacientes pelas mãos do espírito do médico alemão Frederich Von Stein. O médium incorporado toca a área afetada do corpo do paciente. Há relatos de que, às vezes, ocorre sangramento e o tumor é expelido.


 A designer Elizabeth Figueiredo Araújo, 49, conviveu com a cegueira em uma vista desde os 15 anos. Em 2010, perdeu a segunda. "O médico disse que só voltaria a enxergar com transplante de córnea", conta. Contrariando a ciência, Beth recuperou a visão no Natal, após cirurgia com Dr. Frederick. "Eu era descrente. Fui trazida por um amigo. Pensei: mal não vai fazer. "Paguei para ver" e acabei vendo", emociona-se. Hoje ela é voluntária no brechó de móveis doados ao Lar.


Depois de quase morrer durante cirurgia, Reginaldo     Faria vira devoto


 Artistas que viram a morte de perto se agarraram à fé para se manterem vivos. Católico, o ator Reginaldo Faria sofreu, há alguns anos, uma parada cardíaca após uma cirurgia para desobstruir uma das veias do coração. "Fui fazer um cateterismo e houve um erro médico: romperam minha coronária. Apaguei e entrei em coma. Fui parar no CTI e fiquei respirando com a ajuda de aparelhos", recorda ele. O médico usou medicamentos e nada surtia efeito. "Neste momento, ele chamou o Regis e o Marcelo, meus dois filhos, e disse para colocarem a imagem de São Jorge na minha traqueia. O sangue passou e eu sobrevivi. Os médicos achavam que, se escapasse da morte, teria sequelas gravíssimas", lembra o ator, que depois do episódio se tornou devoto fervoroso de São Jorge. "Aprendi a orar. É muito bom, seja em que situação for."


Prece de encerramento


 O centro é aberto à visitação todas as quartas-feiras e em domingos alternados. Quem chega ao local pensando encontrar um gueto de místicos, a surpresa é enorme. Nos últimos dez anos, o número de visitas cresceu de 800 para três mil pessoas por dia. É quase uma cidade. Todos passam por uma triagem, às terças e sextas-feiras. Por menos que os visitantes recebam alguma deferência, o maestro Tom Jobim se emocionou quando ouviu tocar Sabiá, de sua autoria, na sala onde se submeteu à sua primeira operação espiritual. No fim do tratamento, os médiuns disseram que ele estava curado. Só que o autor de Garota de Ipanema marcara uma cirurgia para extirpar um tumor de bexiga em Nova York. Na véspera de viajar, ficou até de madrugada conversando com Gazolla. "Se fosse você, se operaria?", perguntou. "Não", respondeu o médico, mas Tom e a mulher, Ana Jobim, decidiram seguir para os Estados Unidos. "Estávamos com a medicina convencional; achamos que mal não ia fazer", diz Ana. O resto da história todo mundo conhece: o coração do maestro não resistiu à cirurgia e sua vida acabou em 8 de dezembro de 1994, aos 67 anos.


 No Frei Luiz os pacientes de casos graves como Tom ou quem vem de outros estados podem passar a fila, dependendo da intuição do médium. O interessado não desembolsa um tostão. A não ser que compre algo na cantina ou na livraria, recursos que engrossam o orçamento mensal de R$ 120 mil, obtido sobretudo de doações voluntárias. São oito salas de cura, uma para operações espirituais e as demais de passes e para afastar energias negativas. Um alto falante alterna música clássica com mensagens espirituais, em ambiente arborizado de 92 mil metros quadrados, com várias unidades isoladas. O uso de roupas brancas dá ao lugar uma aparência celestial.


 O mais estranho é que alguém que foi um materialista convicto até os 32 anos, como Gazolla, tenha se convencido ao ponto de recomendar a Tom que não se operasse. A vida de Gazzola mudou quando foi a uma seção espírita e ouviu do médium detalhes de sua vida íntima. "Foi uma prova", acredita. Daí em diante, não parou de estudar a doutrina espírita. Gazolla, que é médium intuitivo, sucedeu o médico Luiz Augusto Queiroz, que assumiu o lugar do fundador do Lar de Frei Luiz, o químico Luiz Rocha Lima (1901-1995). O embrião do centro espírita surgiu na casa de Rocha Lima, em 1947, quando ele recebeu uma mensagem de Frei Luiz. O frei alemão nasceu na antiga Prússia em 1872 e morreu em 1937 em Petrópolis, região serrana do Estado do Rio, onde era radicado. A missão de Rocha Lima foi ajudar crianças carentes.


[Frei Luiz e a mini-cidade do amor]

Vereza é diretor do centro


 Foi essa assistência que atraiu o ator Carlos Vereza ao quadro de voluntários do Frei Luiz. Vereza chegou ao centro espírita em 1990, tão deprimido que usava muletas. Tudo começou quando gravava a minissérie Delegacia de Mulheres, na Globo, e seu ouvido e labirinto foram traumatizados por um tiro mal simulado. Sem conseguir mais trabalhar, o ator percorreu inúmeras clínicas especializadas. Quando chegou ao centro espírita, se submeteu a um tratamento intensivo. Hoje, totalmente curado, é diretor de eventos do centro. Vereza observa que ainda há quem confunda espiritismo com macumba. "Só que a doutrina se baseia em filosofia, ciência e religião", compara.


 Essa mistura de ciência e filosofia será a linha de funcionamento do futuro Hospital Holístico, que deve ser inaugurado em dois anos. A idéia é criar um hospital gratuito de medicina tradicional, com 60 leitos, onde o atendimento vai se mesclar à medicina espiritual. Durante uma operação, os médiuns estarão a postos para ajudar no sucesso da intervenção física. A quem se perguntar por que uns saem curados e outros não, Gazolla esclarece: "Só depende do merecimento e do karma de cada um. O espírito apenas ajuda a pessoa a encontrar o Cristo interno que existe em cada um de nós."


[fonte: Revista ISTO ÉJornal Integração Brasil]

5 bilhetes:

Marcio Barreto disse...

Gislene,

Este lugar eu conheço muito bem.
Minha mulher fez 3 ou 4 cirurgias com ele. Uma delas foi na minha casa mesmo. Eu o conheço com uma "certa" intimidade.
Frei Luiz e o mentor do nosso culto do Lar. Este também é um "amigo" que tenho. Depois colocarei um post real sobre as experiências que tive com estas almas.
Lindo post, adorei.

Márcio Barreto
Depois visite: comversoemrima.blogspot.com

meu canto literário

Pelos caminhos da vida. disse...

Maravilhoso post Gi.

A fé faz milagres...

Bom dia!

beijooo.

Elizabeth disse...

Oi Gi,
Através de voce conheci mais um lugar incrivel. obrigada.
Beijo.

Maria José Rezende disse...

Olá. Abri um novo blog de pensamentos curtinhos. Passe por lá e se gostar, fique mais um tempinho. WWW.mimosdoarca.blogspot.com. Beijos.

Daniela! disse...

Oi Gi! Sou eu , a Dani, querida que energia OTIMA!!! que tem o seu blog!!! Bem, voltarei mais vezes, eu estava vendo esse artigo, quer muito conhecer esse centro do Frei Luiz, muito legal esse post, Pedro Paulo Rangel, ator da Globo tambem frequenta ele contou no blog dele. Pöxa so nao acha quem nao quer nao eh mesmo? Vou la um dia, onde vc mora?
Beijinhos, Dani

 
[MUNDO DA GISLENE] © 2008. Design by Pocket