domingo, 13 de maio de 2012

MÃE

domingo, 13 de maio de 2012
[minha mãe e eu]


"Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento e a chuva desaba, veludo escondido na pele enrugada, água pura, ar puro, puro pensamento..."

[Carlos Drummond de Andrade]





Era uma vez uma menina, de olhos negros e longas tranças no cabelo.

Como todas as meninas, gostava de brincar com bonecas, em castelos e contos de fadas, inventando príncipes e princesas, reinos de magia, bolas de algodão doce e céus azuis pejados de arco-iris.

A infância era feliz.

Todas as infâncias deveriam ser assim, felizes.

Com tempo para brincadeiras, correrias nos pátios da escola, sorrisos abertos.

Aquela menina possuía no entanto… um dom especial. 

No recanto seguro do seu quarto, pintava pedras.

Grandes, pequenas, de todas as formas e feitios. Aprendera a gostar das pedras, tal como aprendera a gostar de pintar, observando a mãe, quando esta se perdia no jardim, falando com as flores.

Como era linda, a sua mãe.

E como gostava de a desenhar, de memória, de olhos fechados, rabiscando na folha de papel os traços meigos do seu rosto.

Naquele momento, as suas mãos seguravam duas pequenas pedras, estranhamente iguais a dois corações. Encontrara-as à beira do rio, encostadas uma à outra.

Quando reparou nelas, foi como se um vento súbito lhe varresse a alma de uma cor límpida, como se de repente a primavera tivesse entrado sem pedir licença a ninguém. Apanhou-as, cheia de cuidado.

Agora… agora as duas pequenas pedras, os dois pequenos corações fitavam-na, pousados sobre a mesa de madeira do quarto, a tinta vermelha ainda por secar, brilhantes.

Uma seria para si.

Guardá-la-ia sempre junto ao coração.

A outra… sempre tivera um destino certo para ela…

Pouco depois, descia as escadas a correr, um embrulho a chocalhar com uma pequena pedra colorida dentro, um vistoso laço vermelho por fora.

- Mãe…. Mãe… - ia gritando - onde estás? Tenho aqui uma prenda para ti… onde estás?

Nota: Para a Gislene, uma daquelas raras pessoas que sabe contagiar os outros.

[do querido amigo, Rolando Palma]

5 bilhetes:

Teresa disse...

Obrigada!, filha
sua homenagem me emocionou, tanto pela própria data quanto pelo poema do ROLANDO, e pensar que sempre vc gostou muita das pedras.
Lembra quando estavas no pré do Colégio Misericórdia?
todos os dias nos bolsos da calça ou do casaco,chegava em casa, várias pedrinhas que trazias para mim.
Hoje não é diferente, seu amor pelas pedras agora tem muito mais significativo.
Bjs no seu imenso coração de MÃE, que o Mestre MAIOR "JESUS", te ilumine e acompanhe sempre.
c/amor
Teresa

Elizabeth disse...

Oi Mãezinha,
Amei a foto, demais!
Um domingo bem feliz para todos.
Beijo.

Pelos caminhos da vida. disse...

Abraços a sua Mãe pelo dia de hoje Gi.

beijooo.

Nina Dias disse...

Que linda história! Desejo a você um lindo dia junto de sua mãe! Parabéns mãe Teresa pela filha de linda alma! bjs Nina

Milton Kennedy disse...

Oi amiga virtual Gislene, felicidades para sua mãe, muita paz e harmonia.

"Mãe - uma sílaba só
Com sentido tão profundo!...
Deus ajuntou em três letras
Toda a riqueza do mundo.
" (Luiza Amélia)

 
[MUNDO DA GISLENE] © 2008. Design by Pocket