quinta-feira, 29 de novembro de 2012

ESTAMOS CHEGANDO?

quinta-feira, 29 de novembro de 2012
[Renoir, The Umbrellas (Les Parapluies), de 1883]

"Sempre me restará amar (...) Amar não acaba. É como se o mundo estivesse a minha espera. E eu vou ao encontro do que me espera."

[Alice Ruiz]



Quando estamos viajando, desde a saída meu filho resmunga: estamos chegando? Afirmo que sim, apesar de faltarem 300 quilômetros.

Cinco minutos depois, lá vem ele com a mesma pergunta: estamos chegando? Por mais que ande rápido ou vença o trajeto, nada o demoverá da teimosia de querer descer logo ou de ser informado com detalhes de onde está.

Estar chegando revela a ansiedade em definir os relacionamentos. Fala-se da proximidade para afugentar a distância. Não é uma mentira, é uma verdade afoita. Apressamos em dizer que amamos para não conviver com as dúvidas e tampouco gerar suspeitas da legitimidade do sentimento.

Há uma pressa pelo final em todo início e há uma pressa pelo início em todo final. É obrigatório dizer "eu te amo" para continuar e formalizar o laço.

Talvez seja paixão, mas "eu te amo" já pula da garganta. Talvez seja atração, e "eu te amo" fica sentado na primeira fila. Talvez seja carência, e "eu te amo" puxa a ponta da camisa e da língua para a frente. Não que seja desonesta a declaração, pois não definiremos ao longo dos dias quando se ama verdadeiramente.

A precipitação é um modo de garantir, de tomar conta. Não se vive de porta aberta, "eu te amo" é a chave. Ama-se com o quarto fechado. É dito para fazer valer o esforço da conquista, coroar a sedução, assegurar que aquela pessoa é sua, e que não mais corre o risco de perdê-la. Caso nenhum dos dois fale, amarga-se uma sensação de inutilidade e de desprezo.

Não existe como sair ileso da encruzilhada: se não apregoamos o "eu te amo", somos insensíveis; se declaramos toda hora, pode se tornar um aceno, mero cumprimento. É preciso cuidar para que não seja usado sem vontade. Um selinho não é suficiente para mandar a carta. Sem desejo, o "eu te amo" é saudação de lápide; entra-se no território da proteção e da rotina, para se despedir de amar. Servirá para afastar o beijo quando deveria prolongá-lo. E as atitudes, e as outras palavras não contam?

Quantas vezes proclamamos o amor precocemente? Antecipamos para que, de fato, venha. Prometemos para depois ver se acontece. Ainda que incomparável, o amor se faz pela comparação com experiências anteriores. Define-se pela sua força em sobrepujar as lembranças. É a superação do que foi vivido que valida ou não sua intensidade. Não representa o amor, e sim uma nova tentativa de amar.

Será que o amor não é tão-somente vontade de amar?

Não chegarei, amor é estar a caminho.

[Fabrício Carpinejar, crônica 'Estamos chegando?' do livro Canalha!, Editora Bertrand Brasil]

2 bilhetes:

Malu disse...

Vim lhe deixar um bilhetinho.
Realmente estes dias de ansiedade e de buscas rápidas, dos quereres e das obrigatoriedades... Muito bom este textos que serve para nos dizer - TIRE SEUS PÉS DO FREIO DE VEZ EM QUANDO - chegar tão depressa pode não ser tão bom, pois deixamos de curtir, apreciar o colorido do percurso.
Um grande abraço

Gislene disse...

É verdade, Malu!
Um beijo, tenha um lindo dia!
:)

 
[MUNDO DA GISLENE] © 2008. Design by Pocket